Toscana – Roteiro Itália – Parte 4

Como eu disse no post anterior, a Toscana é a melhor parte da viagem. Não só pelas cidades, mas as próprias estradas entre uma cidade e outra são uma atração a parte. Passamos duas noites em Florença e, no último dia, fui acordada com uma mega surpresa!  Meu namorado tinha programado um passeio de balão pela Toscana (detalhe que eu amo balão, tenho até uma tatuagem)! Um carro nos buscou às 6h30 da manhã e nos levou para o passeio de balão (eu só soube que a surpresa era essa quando vi o balão). O passeio é muito legal, você vê aquele cenário de milhões de vinícolas, é lindo. Ao final do passeio eles servem café da manhã delicioso, até compramos o azeite deles. Vale a pena fazer o passeio! A empresa chama Tuscany Ballooning.

Passeio de Balão
Passeio de Balão

De lá fizemos check out no hotel, pegamos o carro que havíamos reservado na locadora de automóveis e partimos rumo às cidadezinhas da Itália.

É proibido estacionar no centro de Florença, só se for em estacionamento rotativos que são bem caros. Então, eu recomendo passar alguns dias em Florença e no último dia alugar um carro para rodar a Toscana e se hospedar nos agro hotéis que são hotéis no meio do campo, geralmente vinícolas.

A nossa primeira parada foi na cidade de Volterra. É uma cidade bem pequena mas muito charmosa. Estava muita chuva então nem temos fotos.

De lá seguimos para o nosso hotel Il Colombaio di Santa Chiara, o melhor da viagem! É de uma família italiana, o hotel fica na casa deles que é uma vinícola, só o neto da família que fala inglês, mas ele não fica direto lá, o principal contato é com os avós que são uns fotos, super simpáticos (apesar da dificuldade na comunicação), é uma ótima oportunidade para ter contato com uma família local. Assim que chegamos, o avô nos serviu o vinho que eles produzem lá, o café da manhã é sensacional, é na sala da casa. Tudo é feito lá mesmo; o pão, o azeite, o salame, o pão, enfim, tudo. Compramos para trazer o azeite e o salame artesanal.

Este hotel fica bem próximo à cidade de San Gimignano que é super fofa. Tem várias lojas de artesanato, restaurantes. A Igreja de lá é linda e tem uma torre que você pode subir e ter uma vista fantástica da Toscana. Quem estiver em Florença ou Siena e quiser fazer um bate-volta dá pra ir de trem ou ônibus.

No segundo dia fomos visitar o castelo Di Brolio que atualmente se chama Barone Ricasoli . Lá você faz um tour (tem que comprar com antecedência no site) no castelo, eles contam toda a história do Barone Ricasoli e depois faz o tour na vinícola, eles mostram todo processo de fabricação do vinho em que tem o vinho Chianti como carro-chefe e depois tem uma degustação. O pacote que compramos também tinha direito a um menu degustação em um dos restaurantes da casa, chamado L’Osteria. Muito boa a comida, os pratos eram harmonizados com vinhos. Esse castelo só dá pra ir de carro. O passeio na vinícola custou 100 euros e o menu degustação 50 euros.

De lá fomos para Monteriggioni que é uma vila murada, tem uma vista incrível da Toscana, parece que a cidade só tem 40 habitantes. Vale a visita também.

No dia seguinte fomos à Siena, conhecemos a Duomo de Siena, visitamos a cidade que não é tão pequena quanto as outras. Siena tinha uma rixa com Florença, as duas cidades eram rivais antigamente. Comemos uma pizza no restaurante Il Pomodorino, muito gostosa e que tem uma vista linda da cidade.

De lá fomos para Montalcino, conhecemos a cidade, mas estava muito frio, compramos o vinho Brunelo que o tradicional daquela região. Depois seguimos para o hotel Villa Nottola que fica bem próximo à Montepulciano. O hotel também é uma vinícola e lá eles fazem umas geleias sensacionais, se for, compre a geleia de cebola.  Rs

À noite jantamos no restaurante Acqua Cheta, em Montepulciano. Segundo meu amigo que mora na Itália, esse é o melhor restaurante da Toscana. Na minha humilde opinião é mesmo. Só entra com reserva e eles fazem turnos, por exemplo, tem reserva às 20h e às 21h. Eles só liberam o grupo das 21h, quando o grupo das 20h sai. Então fica todo mundo esperando do lado de fora. As mesas são comunitárias, e tipo uma taberna. A bisteca Fiorentina, carro chefe da casa, é do boi fresco, parece que ele mata o boi naquela semana e a carne é feita na brasa. Para acompanhamento peça uma pera com queijo pecorino, parece esquisito mas é delicioso. Todos os dias mudam algumas opções do cardápio, para ter uma ideia, o cardápio é escrito a mão. Caso você não se hospede próximo à cidade, faça uma reserva para o almoço. A cidade de Montepulciano também é linda, super charmosa e vale a pena conhecer.

No dia seguinte partimos para a região de Umbria e conhecemos a cidade de Assis, onde nasceu São Francisco de Assis. A cidade é bem cheia de turistas, ela recebe muito turismo religioso, são multidões de ônibus. A Igreja de São Francisco de Assis é muito bonita, assim como toda a cidade.

Assis
Assis

De lá partimos para o hotel na região que nem vou indicar porque não gostamos muito, ficava no alto de uma colina então não é fácil o acesso. No dia seguinte fomos para a cidade de Perugia, chegamos lá e estava tendo um festival de chocolate! Sensacional! Comemos muito chocolate, o evento estava bem movimentada, aquele chocolate Bacci é de lá. A cidade também é muito bonita.

SONY DSC
Festival de chocolate em Perugia

De lá partimos para Roma que é o tema do próximo post.

Começamos a viagem por Veneza e Milão, depois seguimos para Cinque Terre, depois Florença e Toscana.

 

Anúncios

Florença – Roteiro Itália Parte 3

Essa é a parte que mais gostei da viagem! A região da Toscana é a Itália que a gente sonha, com vinícolas por todos os lados que você olha, aquelas casas no alto da colina no meio do nada, as comidas maravilhosas (tudo fresquinho), vinhos deliciosos e baratos e pessoas simpáticas. Dá vontade de abandonar tudo e viver em uma dessas vinícolas.

De La Spezia peguei um trem direto para Florença. O ideal seria se tivéssemos feito um pitstop em Pisa, mas acabamos não fazendo porque tínhamos hora para chegar em Florença para visitar o museu Ufizi (Como chegamos em Florença em um domingo e íamos embora na terça, compramos o ingresso pra domingo já que segunda não abre).

Ficamos duas noites em Florença no Florence Dome Hotel. Super recomendo! O hotel é muito bem localizado, dá pra fazer tudo a pé, o atendimento é excelente (esquecemos a go pro no quarto no check out, depois ligamos pro Hotel e eles guardaram para a gente, pegamos no dia seguinte), quarto amplo e limpo (tinha o quarto do casal, um banheiro imenso, sala com cozinha).

Pertinho do hotel tem um Eataly (Via dei Martelli, 22). Eu amei! Comemos uma pizza lá que foi uma das melhores da viagem. Comi um hambúrguer (sei que é um sacrilégio, mas queria dar uma variada de comida italiana) e estava delicioso. Também fizemos umas comprinhas de produtos locais para trazermos para o Brasil.

Eataly
Eataly

Ali perto fica a Duomo de Florença. Ela é linda (mas a minha preferida ainda é Milão). Para entrar e conhecer a Igreja não paga, mas se quiser subir tem que pagar entrada e é bom comprar o ingresso pela internet antes porque a fila é gigantesca.

Duomo
Duomo

Dali fui para a Galeria Uffizi. Como eu disse antes comprei o ingresso antecipadamente pelo site, você marca o dia e a hora e assim evita filas. Esse é o principal museu de Florença, com as mais variadas obras renascentistas.

Ao lado do museu fica o Palazzo Vecchio,  atual prefeitura da cidade. Quem tem folego pode encarar os 250 degraus da torre para ter uma bela vista da cidade. Nesta praça há réplicas das esculturas de Michelangelo e a fonte Netuno de Bartolomeo Ammannati.

Bem perto fica a Ponte Vecchio que é a mais famosa da cidade, tem diversas lojas e é bastante movimentada. Após esta ponte, tem a Ponte Santa Trinitá, na esquina fica a sorveteria Santa Trinitá que tem fila na porta. É o melhor sorvete da viagem! Sensacional!

Processed with Snapseed.
Sorvete Santa Trinitá com a Ponte Vecchio ao fundo

Na volta para o Hotel, perto do Palazzo Vechio não deixe de experimentar um sanduíche no All’Antico Vinaio (Via dei Neri, 74/R, 50100 Firenze, Itália – perto da uffizi). É sensacional. Comi um que é o mais vendido: foccacia, pasta de queijo pecorino, pasta de alcachofra, berinjela e salame.

O melhor sanduíche!
O melhor sanduíche!

No segundo dia em Florença você pode visitar L’Accademia, museu onde fica o Davi de Michelangelo. Também é bom comprar com antecedência porque as filas são enormes.

Outro passeio que não pode deixar de fazer é o Mercado Central. Lá tem comidas maravilhosas, comi lasanha em um dia e no outro comi pizza (é a única loja de pizza no andar onde tem os restaurantes). Achei maravilhosa! Lá também vende um excelente Canolli que é um doce típico da Itália. Do lado de fora do mercado tem uma feira de couro em que você compra bolsas bem baratas.

Pizza do Mercado Central
Pizza do Mercado Central

Na Piazza dela Republica é onde fica o carrossel e a melhor doceria da cidade: Gilli. Os doces lá são lindos! Eu comi um folheado delicioso.

Caffé Gilli
Caffé Gilli

Do outro lado da Ponte Vecchio você chega ao Palazzo Pitti. Olhando de fora é um grande muro, mas quando você entra, encontra um enorme jardim. Cheguei a me perder lá dentro de tão grande. É bem bonito. Saindo dali vá andando ou pegue um ônibus ou táxi (porque no caminho tem uma subida) até a Piazzale Michelangelo. Ali é o melhor ponto para ver o pôr do sol. Fica um monte de gente sentado na escada esperando o espetáculo. De lá tem uma vista fantástica da cidade. Compre um vinho e vá bebendo enquanto espera.

De Florença alugamos um carro e fomos desbravar as pequenas cidades da Toscana. Neste post conto tudo!

Neste post tem o roteiro de Veneza e Milão e neste tem o de Cinque Terre.

Jardim do Palazzo Pitti
Jardim do Palazzo Pitti
Piazzale Michelangelo
Vista da Piazzale Michelangelo
Pessoas assistindo o Pôr do Sol na Piazzale Michelangelo
Pessoas assistindo o Pôr do Sol na Piazzale Michelangelo

Cinque Terre – Roteiro Itália Parte 2

Cinque Terre é o conjunto de cinco vilas que ficam região da Ligura no norte da Itália, são elas: Monterosso, Vernazza, Riomaggiore,  Corniglia e Manarola.  As cidadezinhas são um sonho, todas a beira mar, super charmosas. Dá pra conhecer todas em um dia, mas se for verão acho que vale ficar um pouco mais e aproveitar as praias. Nós chegamos em uma sexta-feira por volta do meio dia e fomos embora no domingo de manhã, ou seja, tivemos um dia e meio pra conhecer as Cinque Terre e Portovenere que é considerada uma sexta “terre”.

Em todos os blogs e dicas que tivemos, nos indicaram ficar hospedados em La Spezia, que é uma cidade próxima as Cinque Terre e com mais estrutura. Nos hospedamos no L’Approdo Dell’Ammiraglio . É um Bed&Breakfat super limpinho, tudo parece novo e fica bem perto do cais onde saem os barcos e da região onde tem restaurantes e bares. Não é pertinho da estação de trem, são uns 20 minutos de caminhada, mas eu achei que vale a pena por ser uma região mais movimentada.

Aliás, faça reservas em restaurantes caso pretenda jantar por ali, fica tudo bem cheio e foi difícil encontrar um lugar pra sentar sem reservas.

Na estação de trem você compra o Cinque Terre pass que você pode ir a todas as cinco Terre. Você desce do trem, passeia e depois pega o trem de novo para próxima cidade. Caso queira conhecer Portovenere, não tem trem lá, só dá pra ir de barco ou ônibus.

Quando chegamos à La Spezia, a nossa ideia era irmos de barco até Portovenere, mas os barcos pra lá só saem até às 11h, então pegamos um ônibus. Foi super tranquilo. Portovenere vale muito a pena conhecer, além da orla ser linda, tem um castelo atrás muito legal também. Pelas fotos abaixo dá pra ter uma ideia. Lá tem muitos restaurantes, é uma boa opção pra almoçar.

Portovenere
Portovenere
Portovenere
Portovenere

De lá pegamos um barco para Vernazza (a penúltima Terre se você parte de La Spezia). Achei legal ir para uma Terre mais longe porque pude ver outras três Terres pelo mar, e a vista é linda. Chegando em Vernazza ficamos encantados pela cidadezinha, super charmosa. Lá tem uma torre que super indico subir para ver o pôr do sol. É sensacional!

Vernazza
Vernazza

Processed with Snapseed.

De Vernazza pegamos o trem de volta para La Spezia.

No dia seguinte pegamos o trem e fomos direto para Monterosso, a Terre mais distante da onde estávamos. É a maior das cinco e também tem a maior praia, com uma faixa de areia grande. Eu sugiro se hospedar lá quem for no verão ou primavera. Vernazza também deve ser uma boa opção para hospedagem (foi a Terre que mais gostei).

Monterosso
Monterosso

Em Monterosso almoçamos no L’Osteria. Adorei! Comi esta massa com ostras e camarões, um prato típico da região. Aliás, na região da Ligúria, não deixe de comer a Farinata que é uma espécie de pizza e o Pesto cuja origem é desta região.

L'Osteria
L’Osteria

De Monterosso fomos para Riomaggiore, a menor das Terre. Ela fica mais no alto, então tem um ônibus que leva até lá no alto, mas dá pra ir a pé também. Eu confesso que achei essa a mais feia, ela é bonita quando se vê do mar porque é uma vila no alto, mas lá dentro achei mais sem graça.

Riomaggiore
Riomaggiore

De lá seguimos para Corniglia e depois Manarola. Estas duas últimas são fofíssimas também. Todas com lojinhas, bares e restaurantes para você escolher à vontade. Em cada uma eu comia algo diferente pra experimentar. Rs

Manarola
Manarola
Corniglia
Corniglia
Manarola
Manarola

Em um dia deu bem para conhecer estas quatro vilas, se não tivéssemos conhecido Vernazza no dia anterior teria ficado mais corrido, mas acho que dá. Só não recomendo ficar um dia só, acho Portovenere imperdível. Essas cidades são para conhecer com calma, sentar em um bar e beber um vinho ou tomar um sorvete olhando a paisagem.

Na primeira parte da viagem conhecemos Veneza e Milão,o roteiro está aqui! E de Cinque Terre partimos para Florença, o roteiro está aqui! Depois de Florença, conhecemos as pequenas cidades da Toscana.

 

 

 

 

Roteiro Itália – Veneza e Milão – Parte 1

Passeio de Gôndola

A viagem pra Itália foi a mais difícil que eu já planejei. São muitas opções de lugares encantadores, cada um fala uma coisa, começam a surgir milhões de dicas e você fica perdido querendo fazer tudo. Também não encontrei nos blogs e sites roteiros redondinhos sobre a Itália, lia sobre cidades separadas e os roteiros que eu lia eram muito diferentes uns dos outros.

Isso acontece porque a Itália realmente tem muitas opções, é um país que atrai muitos turistas (com isso as atrações estão sempre cheias) então é preciso montar um roteiro de acordo com os seus interesses e o período que você vai. Como fui em outubro, optei por fazer o Norte porque o sul teria que ser num período mais quente.

Outubro as temperaturas são mais amenas, por outro lado chove mais… Peguei dias com 22 graus e outros com 8 graus…

Na hora de comprar a passagem optei por começar pelo norte,  mas isso tanto faz. Comecei por Veneza, fiquei duas noites na cidade no Hotel Do Pozzi que é simples, não é um hotel que amei, mas pelo que procurei, os hotéis em Veneza são caros e ruins, então esse foi ok porque a localização era boa e não foi tão caro. Era velho, mas parecia ser limpo.

No primeiro dia em Veneza fomos a Praça São Marco, visitamos a Duomo, passeamos pela região e passeamos de gôndola (custou 80 euros, o passeio não tem nada demais, mas é aquele tipo de coisa que você se sente na obrigação de fazer). Perto da Praça São Marcos tem a Ponte dos Suspiros que, segundo a tradição, você tem que passar por baixo dela ao entardecer e dar um beijo para ter amor eterno.

Ponte do Suspiro
Ponte do Suspiro
Passeio de Gôndola
Passeio de Gôndola

Quase em frente a ponte peguei um Vaporeto e atravessei para San Giorgio (Da estação San Marco-San Zaccaria pegue o vaporetto nº 2 e ande uma parada até San Giorgio). Lá tem vista linda de Veneza e é um ótimo lugar para ver o pôr do sol. À noite fomos jantar perto da ponte Rialto que é onde tem mais movimento (aliás, o pôr do sol desta ponte também é lindo).

Vista de Veneza
Vista de Veneza

No segundo dia visitamos o mercado de peixe e depois  as ilhas de Burano e Murano. Você pega um Vaporeto no Ponte 9 que para nessas duas ilhas. Eu fui primeiro à Burano e na volta parei em Murano. Amei Burano! As casas são cada uma de uma cor, muito fofa e charmosa. Dizem que as casas são coloridas porque antigamente os pescadores chegavam bêbados e não sabiam qual era sua casa, então resolveram pintar cada um de uma cor pra não ter erro!

Murano é maior um pouco e também é bonita, mas nada demais. É cheia de lojas de vidros murano, é legal visitar uma fábrica.

Na volta fomos em mais um lindo pôr do sol. Desta vez perto do mercado de peixe, nas margens do Grand Canal. Lá perto tem um bar chamado Al Merca (Campo Bella Vienna, 213) que vende bebidas e uns sanduichinhos delicia! Fica bem cheio, é tradicional na cidade. Compramos as bebidas e nos sentamos no deck na praça Erberia, a beira do canal, pra apreciar o movimento.

Veneza é linda, mas não é uma cidade que amei. Como é muito turística, achei uma cidade meio sem alma, tudo é muito voltado ao turismo. E não se come bem em Veneza, eu cheguei cheia de expectativa pra comer bem as comidas italianas e foi uma decepção. Mas acho que todos devem conhecer a cidade, porque é super diferente.

Cheguei a Veneza de avião e fui embora de trem. Em ambos os casos peguei um Vaporeto, tem um ponto pertinho do hotel e foi super tranquilo.

De Veneza fomos pra Milão. Todo mundo falava que a cidade é sem graça, mas eu adorei. A Duomo de Milão, na minha opinião, é a mais bonita de todos. Foi apenas um dia na cidade, fomos a Duomo, você pode comprar só o ticket pra conhecer a igreja por 2 euros ou pagar 15 euros e subir na cúpula que tem uma vista incrível, você vê até os alpes suíços.

Duomo de Milão
Duomo de Milão

 

Ali ao lado tem a Galeria Vitório Emanuele que também é linda! E o quadrilátero da moda que tem todas as lojas possíveis e imagináveis. Guarda um dinheirinho pra fazer compras lá.  A Santa Ceia, do Leonardo Da Vinci, está exposta em Milão, mas tem comprar com muita antecedência.

Dali você segue reto pela Via Dante que é bem em frente a Duomo e chega no Castello Sforzesco que é lindo e tem um parque atrás também muito legal. Ao lado do parque tem o bairro de Brera que também é bem interessante e tem uma Pinacoteca famosa.

À noite ficamos hospedados no bairro Navigli, que é cheia de bares e restaurantes. Fomos ao Gnocco Frito que é tipo uma massa de pastel (ele dizem que é pão) e você pede presuntos e queijos pra acompanhar. Uma delícia!

Gnocco Frito
Gnocco Frito

Uma das melhores pizzas da viagem comemos em Milão, no restaurante Sorbillo (Largo Corsia dei Servi, 11, 20122 Milano), pertinho da Duomo! É sensacional! Pedimos o sabor com pesto e uma outra com tomate amarelo que também é divina (esse tomate é meio doce). Essa pizzaria é famosa em Napoles e tem essa filial em Milão. É imperdível.

Sorbillo
Sorbillo

De Milão pegamos um trem para conhecer as Cinque Terre. O post sobre a segunda parte da viagem está aqui!

Só mais uma observação, o metrô de Milão é ótimo, super funciona e os trens também. E se for fazer compras, faça em Milão, porque as lojas são muito melhores que em Roma. Tem coisas nas lojas em Milão que não tem nas outras cidades.

O Roteiro sobre Florença está aqui! De Florença desbravamos as pequenas cidades da Toscana, conto tudo aqui!

 

 

 

Roteiro Turquia

A viagem para a Turquia foi uma das minhas preferidas. Istambul é apaixonante, a cidade é linda, tem o contraste do novo com o velho e as pessoas são muito simpáticas. Várias pessoas já me falaram que Istambul é a cidade que mais amam no mundo. Istambul também tem um lugar especial no meu coração. Rs

Confesso que não foi amor à primeira vista. Quando cheguei ao aeroporto de Istambul, estava lotado, uma fila enorme pra imigração (porque tem muitos sírios indo pra lá), desorganização… eu só pensei: o que estou fazendo aqui? Mas foi só sair do aeroporto e o encantamento começou (mesmo com o trânsito absurdo da cidade).

A moeda da Turquia é a Lira Turca que é parecida com o real. Eu levei euro e troquei a moeda lá mesmo. Três dias na cidade dá pra conhecer tudo com pressa, quatros dias dão pra fazer com mais calma.

A cidade é dividida no lado Europeu que é a parte histórica, conhecida como Cidade Velha. O lado asiático é mais moderno, onde tem prédios, shoppings, enfim, a parte mais urbana.

Hospedei-me no Sirkeci Park Hotel que fica na cidade velha, pertinho da maioria dos pontos turísticos. O táxi do aeroporto para o hotel deu cerca de 50 liras (o táxi lá é bem barato, mas os taxistas não falam inglês, leve sempre o endereço anotado em um papel).

No primeiro dia vá logo até a praça Sultan Ahmet que é onde ficam as principais mesquitas e outros pontos turísticos. De um lado desta praça fica a mesquita Santa Sofia (Hagia Sophia) que já foi Igreja Católica e é uma das principais mesquitas da cidade. Do outro lado da Praça fica a Mesquita Azul (The Blue Mosque), na minha opinião, a mais bonita. Dica para as mulheres: leve um lenço porque não pode entrar nestas mesquitas com o cabelo aparecendo.

Santa Sofia
Mesquita Santa Sofia

Ainda perto da praça, do lado direito quando você olha da Santa Sofia para a Mesquita Azul, fica a Cisterna de Basília (Yerebatan Saray). Muita gente faz cara feia quando eu digo que fui a uma cisterna. Mas a beleza dela impressiona como você vê na foto abaixo.

Cisterna
Cisterna de Basília

Na rua ao lado direito desta praça passa o bonde, você pode pegar o bonde ou ir caminhando até o Grand Bazar. Se prepare pra negociar bastante, os vendedores gostam quando você pechincha, use todos os seus argumentos que você consegue reduzir o preço em mais de 50%.  Lá é ótimo para comprar ouro, prata, almofadas, tapetes, luminárias, enfim, reserve muitas horas pra andar por lá.

Bem perto do Grand Bazar fica o mais tradicional banho turco da cidade: o Çemberlitas Hamami. É ideal para relaxar após as compras.  Todo mundo pergunta como é o banho turco, vou explicar, pelo menos o feminino é assim: você chega e recebe uma calcinha preta enorme (estilo vó), uma toalha e uma esponja. Você guarda suas roupas em um armário, veste a calcinha, se enrola na toalha e entra em uma sauna imensa com um circulo de mármore no meio (a cena final do filme “Busca Implacável 3” se passa lá, a cena da briga). Você deita no meio deste circulo junto com outras mulheres e aguarda uma das funcionárias te chamar. Quando elas te chamam, você vai pra ponta do circulo, elas esfregam a esponja no seu corpo todo, até no rosto, esfoliando toda sua pele. Depois elas passam sabão com outra toalha e enxaguam. Em seguida você vai pra uma banheira de hidromassagem, fica o tempo que quiser lá, sai, toma uma ducha e pode ir embora. Eu optei apenas pelo banho turco tradicional, minha amiga fez massagem depois e amou.

No dia seguinte você pode visitar o Palácio Topkapi, é enorme e exuberante. A exposição mostra umas joias lindas, espadas, roupas da época otomana e uma vista impressionante.

IMG_20160712_191528
Vista do Palácio Topkapi

Depois você pode ir para a margem do Rio Bósforo e conhecer as mesquitas que tem por lá como a Ortakoy. Também não deixe de visitar o Bazar das Especiarias ou Bazar Egípicio. O passeio pelo Bazar Egípcio pode começar, ou continuar, fora dele, na Ponte de Galata, um dos cartões-postais de Istambul, praticamente em frente ao mercado. Desta ponte saem os barcos para o passeio pelo Rio Bósforo.

No final da tarde aconselho fazer este passeio de barco porque você vê o pôr do sol do lado asiático. É sensacional. O que eu fiz saia às 17h da porta da Reina Sofia, junta um grupo que vai caminhando até o embarque no Rio Bósforo.

Pôr do sol no rio Bósforo
Pôr do sol no rio Bósforo

No terceiro dia você pode visitar a parte nova e mais moderna da cidade, com seus restaurantes modernos e shopping centers.

Istambul tem muitos bares e restaurantes e uma vida noturna animada. À noite fui para a boate Reina. Ela fica na beira do rio Bósforo e é um restaurante que vira boate após um determinado horário.

Adoro conhecer a gastronomia local quando viajo, mas confesso que não tive sorte na Turquia. Não gostei da comida na maioria dos restaurantes que visitei, então, dessa vez, não tenho dicas gastronômicas. Só preste bastante atenção onde for comer, em alguns lugares não tem muitas regras de higiene e você pode estranhar.

Capadócia

Fui para Capadócia de avião com a companhia Anadolujet (boa e barata). Na Capadócia me hospedei no hotel Arch Palace. O proprietário é ótimo, super prestativo, ele se chama Mustafá. Ele nos ajudou muito e é uma simpatia. Como quase tudo na Capadócia fica dentro de cavernas, este hotel também fica. E o café da manhã é servido no terraço com uma vista deslumbrante da cidade.

Capadócia
Vista do terraço do hotel 

No primeiro dia você pode visitar o Museu ao Ar Livre de Goreme que é um complexo declarado patrimônio da humanidade pela Unesco. Acho válido ir com um guia para te explicar todas as cavernas, igrejas e afrescos que estão no museu.

Como a cidade é bem turística tem várias opções de tours guiados e aluguel de motocicletas, cavalos ou vans. Com um desses transportes você pode visitar os vales que ficam um pouco mais distante como o Vale do Amor, Vale dos Passáros e o Vale Rosa e Vermelho. Neles, você vê o que eles chamam de chaminés de fadas (aquelas pedras que tem formato cilíndrico, com uma outra pedra em cima).

O passeio mais famoso da Capadócia (e o mais esperado) é o passeio de balão. Fiz com a empresa Atmosfere Balloons que o próprio Mustafá reservou pra mim antes de ir. Aconselho a reservar com antecedência, mas conheço pessoas que deixaram pra reservar quando chegaram lá e conseguiram.

O passeio começa bem cedo, às 4h40 a empresa nos buscou no hotel. Eles levam todo mundo para tomar café da manhã e depois vamos pra onde o balão decola ainda escuro. Cabem 12 pessoas no balão que andei, mas em alguns cabem 23 pessoas. São mais de 100 balões e eles sobem todos os dias. Lá de cima você vê o sol nascendo. É indescritível, sensacional, só isso já valeria a viagem toda. Quando pousamos eles servem espumante e fazem uma confraternização.

Capadócia
Passeio de balão por cima dos vales

Às 7h30 já estava de volta ao hotel, então pudemos aproveitar o resto do dia todo. Como fiquei apenas dois dias, já emendei com outro passeio que nos buscou no hotel às 9h30. Confesso que fiquei bem casada, acho que seria melhor descansar um pouco antes de sair de novo.

Neste outro tour conhecemos a cidade subterrânea de Kaymakli. A região tem dezenas de cidades subterrâneas, esta é a maior delas. Ela possui oito andares abaixo do solo, porém a visitação só é permitida nos quatro primeiros níveis. Também tem a Cidade Subterrânea de Derinkuyu que tem 16 andares abaixo do solo, mas não visitei.

Neste tour também visitei o Vale Ihlara, que é segundo maior cânion do mundo.   Visitei ainda alguns vales como o Vale dos Monges. Foi um passeio de um dia inteiro. Você pode reservar no próprio hotel.

Pra fechar a viagem o Mustafá nos levou no sunset point que é um lugar lindo para ver o pôr do sol.

Pamukkale

Um passeio legal para fazer bate-volta é Pamukkale (nuvem de algodão, em turco) que é um conjunto de piscinas termais de origem calcária que com o passar dos séculos formaram bacias gigantescas de água que descem em cascata numa colina de 200 metros de altura. Parece neve, é muito lindo. Os visitantes não podem usar sapatos, mas podem entrar e nadar nas piscinas. Devido ao calor intenso e o solo branco, reforce o protetor solar.

Pamukkale fica a 18Km da cidade turca de Denizli , onde fica o aeroporto mais próximo, com voos diários para Istambul. Istambul está a cerca de 664Km de distância e a capital Ankara, a 484Km. Há quem prefira pernoitar por lá, mas várias empresas de turismo fazem passeios de um dia até lá. É cansativo, mas saem bem cedinho e você consegue aproveitar o dia. Evite ir no verão (calor intenso) e no inverno (frio congelante), escolha meses de temperaturas mais brandas.

Comente suas dicas aqui também!

Siga-me no instagram @reviajando

 

 

 

 

 

Roteiro Paris

Paris tem milhões de atrações, você pode ficar quantos dias quiser que terá o que conhecer. Eu aconselho ficar no mínimo quatro dias, mas se puder ficar uma semana é o ideal. O melhor de Paris é quando você já conhece os principais pontos turísticos e pode caminhar sem pressa pela cidade e, de preferência, sem destino.

Já enviei este roteiro de Paris para vários amigos, é o essencial da cidade, depois cada um acrescenta o que tem mais o seu perfil. Leio muitas dicas de Paris, mas vejo poucos roteiros básicos para quem vai a primeira vez e tem poucos dias. Então vamos lá.

Quando vou a Paris gosto de me hospedar em Saint Germain (de preferência no Quartier Latin), é um pouco mais caro, mas acho que vale a pena por ser bem central e próximo aos principais pontos turísticos. A rede de metrô da cidade é muito eficiente, mas a cidade é tão linda que gosto de andar a pé e só pego o metrô para ir para os lugares mais distantes. Saint Germain tem a alma de Paris, com milhões de cafés e restaurantes.

Eu costumo alugar apartamentos, logo não tenho muitas dicas de hotéis, mas nessa região dá pra pesquisar pra todos os gostos e bolsos.

Paris tem três aeroportos, mas provavelmente você chegará pelo Orly ou Charles de Gaulle. Ambos ficam distantes da cidade,  aconselho contratar um translado ou sair de trem. Tem uma estação dentro do aeroporto e é super tranquila. Os parisienses usam muito o metrô (veja o mapa aqui), então é super comum ter pessoas com malas. Se você for ficar em Saint Germain provavelmente descerá na estação Saint Michel. Depois pega outro metrô ou um táxi até o hotel.

Rio Sena e Torre Eiffel vistos da Roda Gigante
Rio Sena e Torre Eiffel vistos da Roda Gigante

Logo ao chegar ao hotel a primeira coisa que todos querem fazer é visitar a Torre Eiffel. Eu sempre deixo pra ir no final da tarde para vê-la de dia e à noite com todas as luzes acesas. É lindo! Eu não acho nada demais na vista lá de cima, mas é aquele tipo de passeio obrigatório subir a torre. Depois atravesse o Rio Sena e você chegará à Praça Trocadéro. É o melhor ponto pra tirar foto com a Torre Eiffel ao fundo.

Aproveitando que estará por ali, volte para o rio Sena e faça um passeio de barco, o Bateau Mouche. Há várias opções, algumas são só o passeio, outras tem música e jantar.

Como falei em outros posts, sempre que viajo pra Europa gosto de fazer o walking tour que são passeio a pé que duram de 2h às 3h e você paga quanto você acha que vale o passeio. Em Paris os passeios saem às 11h a às 13h na fonte da praça Saint Michel.  Aconselho começar o segundo dia fazendo esse passeio.O roteiro ccompleto está aqui.

Caso, não queira, sugiro um passeio a pé pelo bairro de Saint Germain e você visitará a Catedral de Notre Dame (você pode subir a torre ou só entrar na Igreja), o Jardin Du Luxemburgo e o Museé d’Orsay. Neste museu você vai gastar algum tempo.

Jardin du Luxemburgo
Jardin du Luxemburgo

Dependendo do tempo que você gastar, em seguida visite o Petit Palais e o Grand Palais.

Outra opção para este dia é pegar o metrô e ir visitar a Galeries Lafayette ( 40, Bd Haussmann – Tem que ir nesta que é a loja principal e é linda). Como esta loja fica mais para o norte, você estará relativamente mais perto de Montmatre, então aproveite e faça o passeio por lá.

Comece pela Basílica de Sacré Couer. O ideal é ir no final da tarde para ver o pôr do sol de lá que tem uma vista linda da cidade. Depois que subir a escadaria da Sacré Couer, ver o pôr do sol e visitar a Igreja, ande para trás da igreja, pelo lado esquerdo e vá para praça de Montmatre. É onde tem lojinhas e restaurantes e vários artistas de rua. Jante por ali que tem um clima ótimo. Quem ama o filme “O Fabuloso destino de Amélie Poulain”, a protagonista mora neste bairro e o café que ela trabalha é o Le Deux Molin, você verá facilmente porque está sempre cheio.

Depois que descer as escadas da Sacre Couer ande para a direita uns 15 minutos que vai chegar ao Moulin Rouge. Não precisa entrar, só tirar uma foto na fachada e pegar o metrô de voltar.

O próximo dia pode ser dedicado ao Louvre (se não for terça-feira que é quando o museu fecha). Comece o dia logo no museu. No caminho (se você estiver em Saint Germain) passe pela Pont des Arts que é onde ficavam os cadeados.

Louvre
Louvre

No Louvre você gastará algumas horas. Na saída, bem em frente ao museu, fica o Jardin de Tuileries (onde tem a roda gigante), relaxe um pouco nesta linda praça porque depois andará bastante na Champs Élysées. Só seguir reto por esta praça que você chega à rua mais famosa da cidade. Vai ser difícil resistir à tentação das lojas e cafés ao longo da via. No final da Champs Élysées está o Arco do Triunfo. Poucas pessoas sobem, é uma escadinha apertadinha, mas eu achei a vista legal (até porque você vê a Torre Eiffel e consegue umas fotos bem bonitas).

Champs Elysee vista da Roda Gigante
Champs Elysee vista da Roda Gigante
Vista do alto do Arco do Triunfo
Vista do alto do Arco do Triunfo
Escada para subir no Arco do Triunfo
Escada para subir no Arco do Triunfo

No quarto dia, sugiro sair um pouco da cidade e visitar o Palácio de Versailles. Já vi muitos castelos na Europa, mas, na minha opinião, este continua sendo o mais lindo. Para ir você pega o trem RER C5, desce em Versailles Rive Gauche e é a estação mais próxima do castelo. Preste atenção porque a linha C tem “ponto final” em diferentes lugares, você tem que pegar a que passa por Versailles Rive Gauche.   Você tem que comprar o ticket para zonas 1/4. A linha do RER C para em várias estações em Paris: Saint Michel Notre Dame, Musée d’Orsay, Invalides, Pont d’Alma, Champs de Mars Tour Eiffel.

Se você for no verão, aconselho levar algumas comidinhas, um vinho e fazer um piquenique nos jardins do palácio. Se não aguentar andar muito, aconselho pegar os trenzinhos que tem lá dentro para ir visitar os outros palácios que ficam distantes da entrada principal, porque o jardim é muito grande.

Versailles
Versailles
Jardim do Palácio de Versailles
Jardim do Palácio de Versailles

À noite, sugiro jantar no restaurante Le Relais d’entrecôte. É a versão original do restaurante que serve apenas bife com batata frita. É claro que Paris tem milhões de restaurantes muito melhores, mas esse é um clássico.

Até esse ponto, você também não pode ter deixado de comer um crepe com Nutella na rua, um Croq Monsieur que é o “misto quente” deles e macarrons Ladurée.

Para compras, gosto da Rue Rivoli que fica atrás do Louvre e tem aquelas fast fashions clássicas como H&M, Bershka, Zara, Sephora etc. Na Champs Elysee também tem, mas não são todas.

Se tiver mais dias em Paris, aconselho muito visitar a Casa de Monet, em Giverny. É lindo, lindo, lindo, você se sente dentro de um dos quadros deles. Fora que a cidade onde fica a casa é super charmosa. Pegue o trem até Vernon e lá pegue um ônibus pra Giverny. Você pega o trem na estação Saint-Lazare. A viagem dura cerca de 45 minutos.

DSC02548
Jardim de Monet

E, é claro, um outro passeio muito legal em Paris é ir à Disney. Eu fui e gostei muito, são dois parques, o Walt Disney Studios e a Disneyland Park. Dá pra conhecer os dois em um dia. Aconselho deixar a Disneyland por último que é onde acontece o show de encerramento.  Quem quiser ter mais tempo, pode se hospedar em um dos hotéis próximos e voltar no dia seguinte.

Para ir à Disney: Pegar a linha A (vermelha) do trem em direção a Marne-La-Vallée / Chessy), ela passa pela estação Chatellet.

Disney Paris
Disney Paris

Prepare-se para comer bastante!  Nem me atrevo a indicar restaurantes, mas Paris é uma cidade que qualquer lugar que você parar para comer será gostoso.

Se você for no verão, você pode dar uma esticada até Cotê d’Azur, que é a região sul da França com praias e mar super azul. Eu fui à Nice, passei alguns dias na cidade e visitei Mônaco, Cannes e outras cidadezinhas da reigões. De Paris à Nice você pode ir de trem (são cerca de 10h) ou de avião. Recomendo muito.

Mônaco
Mônaco
Cannes
Cannes

Bon Voyage!

Siga-nos no instagram @reviajando

Comente aqui suas dúvidas e dicas!

 

 

Niterói – Muito além da vista para o Rio de Janeiro

Parque da Cidade de Niterói

Niterói é a cidade que vivo desde os três anos e amo este lugar. Sou niteroiense de carteirinha e a defendo com unhas e dentes. Adoro viajar, mas sempre deixo uns dias das férias pra ficar de bobeira curtindo a minha cidade.

Chegar à Niterói é muito mais fácil e rápido do que você imagina. Você pode pegar a barca que sai da Praça XV, no centro do Rio, e ir apreciando a bela paisagem do trajeto. Há também diversas opções de ônibus. O 751D sai da Gávea e passa por vários bairros da Zona Sul como Jardim Botânico, Humaitá, Botafogo e Flamengo. O 741D sai da Praça General Osório e segue por Copacabana, passa pelo Rio Sul, Botafogo, Flamengo. O 703D sai da Tijuca, passa pela UERJ e Maracanã e chega rapidinho à Niterói. Também tem o 775D que passa pela Lapa e o 760D que passa pelo Galeão.

O cartão postal da cidade é o Museu de Arte Moderna –  MAC. O edifício que parece um disco voador foi projetado por Oscar Niemeyer e já foi até cenário para um desfile da marca Louis Vuitton. O museu acaba de ser restaurado e é lindo tanto por fora quanto por dentro. No subsolo tem o restaurante Bistrô MAC que oferece buffet de café da manhã e chá da tarde e almoço e jantar a La carte com uma vista espetacular.

O MAC faz parte do complexo Caminho Niemeyer, composto por uma série de edificações projetadas pelo famoso arquiteto.  Seguindo pela orla partindo do centro da cidade até o bairro de Charitas é possível conhecer a Praça Popular de Niterói, que inclui a Fundação Oscar Niemeyer, Memorial Roberto Silveira e Teatro Popular de Niterói, o Centro BR do Cinema Brasileiro, a Praça JK e o Terminal de Barcas de Charitas. Neste último (que também parece um disco voador) tem o restaurante Olimpo que serve almoço e jantar e é uma delícia.

Falando em comida, no Centro da Cidade, perto de algumas atrações do Caminho Niemeyer como o Teatro Popular de Niterói tem alguns tradicionais (e maravilhosos)  restaurantes da cidade como o Caneco Gelado do Mário (melhor bolinho de bacalhau do mundo. Pode comprar a massa e levar pra fritar em casa) e a Gruta de Santo Antônio de comida portuguesa. Super famoso no mundo todo, o Gruta foi eleito pelo Trip Advisor o 4º melhor restaurante da América Latina. Ali perto também fica o Mercado de Peixe de Niterói que você pode escolher os frutos do mar que deseja e pedir pra preparar na hora.

Bacalhau da Gruta de Santo Antônio
Bacalhau da Gruta de Santo Antônio

Dizem que o melhor atrativo de Niterói é a vista pro Rio. Eu discordo dessa frase, mas um ótimo lugar para apreciar esta vista é o Parque da Cidade. Quem quiser praticar exercícios, pode subir o parque de bicicleta ou a pé, os mais preguiçosos podem ir de carro porque tem estacionamento lá em cima.   Lá em cima você pode se aventurar em um salto de parapente, descer de bicicleta por uma trilha de downhill ou ficar só olhando. Lá em cima o restaurante Sierra e Mar serve Buffet de café da manhã com frutas, pães, bolos, tapioca, omeletes etc. É uma delícia. Custa R$ 44,00 e é servido aos sábados, domingos e feriados de 8h30 às 13h30.

Parque da Cidade de Niterói
Parque da Cidade de Niterói
Café da manhã no Parque da Cidade de Niterói
Café da manhã no Parque da Cidade de Niterói

Niterói possui o segundo maior complexo de fortes e fortalezas do país. As principais são a Fortaleza de Santa Cruz, erguida no entorno da Baía de Guanabara, e os Fortes Rio Branco e Imbuí, localizadas em mar aberto. Elas são abertas à visitação e são um ótimo passeio.

Praias

A região oceânica de Niterói tem praias para todos os estilos, elas são um pouco afastadas do centro da cidade, cerca de 18km (40 min de carro) saindo da ponte, mas vale a pena. São bem diferentes das praias do rio justamente por ficarem fora do grande centro.

Itacoatiara é a minha preferida, a mais bonita.  Como é a praia com menos infraestrutura, ainda mantém um visual mais natural. Esta é a praia dos jovens e surfistas. A especialidade lá são os sanduiches naturais vendidos na areia. Do lado esquerdo da praia tem uma grande pedra conhecida como Costão e tem e a Pedra do Elefante que são famosas por suas trilhas. Neste post tem detalhes sobre estas trilhas. Do lado direito fica a prainha de Itacoatiara que, por ser rodeada de pedras, é frequentada por famílias com crianças pequenas já que não tem ondas. Também serve como opção para um mergulho nos dias que a praia de Itacoatiara está com ondas.

snapseed-09
Vista do alto do Costão de Itacoatiara

Itaipu é uma praia pequena, com mar sem ondas e quiosques, por isso é bastante frequentada por famílias; as crianças podem brincar sem problema. Também é indicada para a prática de stand up paddle.

Camboinhas é pra quem procura comodidade já que  é cheia de quiosques com mesas,  cadeiras e garçons.  O mar não é tão calmo quanto Itaipu e nem tão agitado como Itacoatira, então também é uma boa opção para as famílias.

Ainda tem as praias de Piratininga com mar agitado e Sossego que é preciso fazer uma trilha para chegar.

O programa pós-praia que mais gosto é almoçar no restaurante Seu Antônio que também fica na Região Oceânica. Como fica muito cheio prepare-se pra enfrentar filas, mas, por isso, tem o Bar da Fila bem em frente. Com chopp gelado, bolinho de bacalhau e vários petiscos delícia, tem gente que prefere ficar por ali mesmo e nem entra no Seu Antônio. Quando entrar pra almoçar peça um camarão no coco verde, o prato mais famoso do restaurante.

Camarão no Coco Verde no Seu Antônio
Camarão no Coco Verde no Seu Antônio

Noite  

A noite em Niterói não é tão animada, são poucas boates e ambientes com música. O que reina na noite niteroiense são os bares. Há três principais points de concentração de bares: Cantareira, Jardim Icaraí e Praia de São Francisco (ou Saco de São Francisco para os locais).

O Saco de São Francisco é o mais antigo e tem a vantagem dos bares serem de frente pra praia com um ótimo visual.  Os restaurantes mais famosos são o Bemdito, Noi e Paludo. O Jardim Icaraí é mais recente, mas o que mais enche atualmente. Tem pra todos os gostos, comida de buteco, mexicana, peruana, japonesa, italiana, pizzas, hambúrgueres, enfim, é chegar ali e encontrar o que mais gosta. Os meus restaurantes preferidos são o Deck (experimente o drink Herbert Richards), 381 Burguer House e Coahuila.

A Cantareira é repleta de botecos e muito frequentada pelos estudantes da Universidade Federal Fluminense – UFF.

Drink Herbert Richards do bar Deck Jardim
Drink Herbert Richards do bar Deck Jardim
381 Burguer House
381 Burguer House

Compras

O principal shopping da Cidade é o Plaza Shopping que tem cinemas, gastronomia variada (Outback, Gula Gula, Fiftie’s, Entrecote de Paris)  e lojas conhecidas como Forever 21, Sephora, TokStok e os grandes magazines.

Quem prefere fazer compras ao ar livre,  no bairro de Icaraí tem quase todas as lojas que tem no shopping. O Rua Moreira César concentra a maior parte das grifes, é onde tem as lojas mais caras. Se bater uma fome em Icaraí não deixe de passar na Confeitaria Beira Mar, a mais famosa da cidade e com muitas opções de produtos. A padaria oferece Buffet a kilo de café da manhã, almoço, lanche da tarde e festival de caldos (à noite). Um dos meus programas favoritos e tomar café da manhã lá para comer torrada Petrópolis! rs

Quem gosta de artesanato não pode deixar de passear pela feirinha do Campo de São Bento que funciona aos sábados e domingos pela manhã.

Essas são apenas algumas atrações em Niterói. A cidade tem várias opções de passeio.

Quem quiser se hospedar na cidade os principais hotéis são o H e o Mercure Novo Orizzonte. Em Itacoatiara tem a pousada Itacoatiara Inn.

Se tiver mais dicas de Niterói pode ocmentar aqui embaixo.

Siga-me no instagram @reviajando